2 Perguntas Poderosas para se Fazer Antes de Entrar no Novo Ano

 

2 Perguntas Poderosas para se Fazer Antes de Entrar no Novo Ano

 

por Sara Fabian

porque-gratidão-é-importante
(post original em: https://blog.sivanaspirit.com/mf-gn-powerful-questions-to-ask-yourself-before-stepping-into-a-new-year/)

Se a única oração que você fizer é agradecer, isso será suficiente. – Eckhart Tolle

Mais um ano quase se foi com bons e maus, altos e baixos – parte da vida, não é? É hora de um novo ano em breve – uma época em que é comum traduzir nossas esperanças, desejos e sonhos em resoluções de ano novo.

Isso é ótimo e, permanecendo engajados e comprometidos, mantendo uma visão positiva de tudo o que queremos alcançar, nos movemos para frente.

Eles dizem que o futuro pertence àqueles que podem vê-lo chegando, e acredito que isso é verdade. Um sonho sem ação não é senão um sonho.

No entanto, estou aqui para destacar um erro que eu costumava fazer repetidamente no passado. Cada vez que eu estava entrando em um novo ano, eu costumava fazer novos planos e estabelecer novos objetivos para mim.

O que eu senti falta foi fazer uma retrospectiva do ano corrente “todo-inclusivo”, com todo o seu pacote: o lado positivo dos resultados e sucessos, e também com o fracasso (muitas vezes percebido), novos aprendizados e possíveis bênçãos disfarçadas.

Aqui estão duas perguntas poderosas que me pergunto cada vez que estou entrando em um novo ano:

1. Do que mais me Orgulho?

Como uma exímia ex-perfeccionista, eu costumava me colocar para baixo e minimizar minhas realizações, como se “não fosse nada grande ou especial ou“ qualquer outra pessoa poderia ter feito isso ”.

Eu costumava atribuir minhas conquistas à sorte, ao destino ou a outras pessoas que me deram infinitas chances de sucesso.

Quando estamos lutando com essa necessidade frustrante de perfeição, nada parece bom o suficiente, e estamos sempre procurando mais para fazer, para nos sentirmos felizes e satisfeitos. E a verdade é que nunca estamos lá porque sempre queremos mais.

Hoje, aprendi a reconhecer e celebrar a mim mesma, da mesma forma que faço para outras pessoas. Parei de me menosprezar ou de me apequenar para que os outros se sentissem bem perto de mim.

Isso não é egoísta, mas justo. Como todo mundo, eu também sou uma pessoa digna da minha gratidão, compaixão e cuidado. Isso não é sobre ego ou exibicionismo. É sobre o fato de que, em muitos casos, houve um trabalho árduo e muito esforço por trás da minha “sorte”.

2018 foi agitado. Meu marido e eu nos mudamos do nosso local anterior (México) para Dubai. Moramos em três casas e seis hotéis diferentes. Muitas malas para embalar e descompactar, questões administrativas para lidar com e estresse.

Eu nunca havia percebido o quão resiliente nos tornamos diante de situações desafiadoras e como somos capazes de lidar com a mudança.

Se você também costuma se menosprezar, convido você para um breve período de reflexão sobre o seguinte tópico:

Minhas principais realizações em 2018 são:

Eu estou mais orgulhoso de:

Eu me reconheço por:

Lembre-se, não precisa ser algo grande, como salvar a vida de alguém. Não importa quão pequeno seja, coloque-o na sua lista. Podem ser novas habilidades que você adquiriu, uma transformação em você, o desenvolvimento de novos hábitos, mudança para uma nova casa, ter ajudado alguém ou a si mesmo, ter saído de sua zona de conforto ou ter feito mudanças que tenham um impacto positivo em sua vida.

Anote tudo, relacionado à vida pessoal e profissional.

E depois de ter feito sua lista, é hora de comemorar. Faça algo especial para si, mime-se com algo que você goste. Compre algo legal para você. Faça uma massagem. Faça o que te faz sentir bem. Só por fazer; porque você quer, e porque você vale a pena.

2. O que Estou Aprendendo?

Dois anos atrás, eu fui diagnosticada com endometriose estágio 4, que geralmente vem junto com problemas de infertilidade. Eu fiz uma cirurgia na Coreia do Sul, que foi um sucesso.

Eu sabia que o cirurgião trabalhava no meu corpo físico, e meu corpo emocional e mental era meu trabalho para limpar. Meu desejo era ser saudável e aproveitar esse belo presente chamado vida.

Eu nunca quis ter filhos por pressão, para agradar outras pessoas (fazer meus pais felizes) ou me enquadrar em uma caixa imposta pela sociedade sobre qual deveria ser o papel de uma mulher.

Na minha vida, sou eu quem faz as regras. Eu nunca considerei ter filhos para obter alegria e satisfação. Os bebês são espíritos independentes, nascidos para aprender e crescer, não almas que eu jamais possuiria. Eu confio no fluxo da vida, então o deixo decidir se vou ser mãe ou não.

E aqui estou eu, em meus quarenta anos, grávida pela primeira vez e esperando a nossa filhinha vir a este mundo na primavera do próximo ano. Ela vem com admiração, excitação, curiosidade e muita alegria. É uma época de renascimento.

Eu escolho acreditar que vivemos em um Universo de apoio, onde tudo acontece para o meu bem maior. Eu aprendi a parar de pedir o que eu quero e, em vez disso, começar a pedir o que eu preciso.

A vida quer que eu seja uma mãe e uma pequena e delicada criatura humana precisará do meu apoio.

“Tudo está bem no meu mundo. A vida me ama e estou segura.” – Louise Hay

No lado negativo, foi um ano de perda, com nosso querido padrinho morto em um acidente de carro. Lembro-me dos conselhos que ele nos deu durante nossa última conversa telefônica:

“Passei 40 anos da minha vida sempre correndo em algum lugar, querendo fazer mais e conseguir mais. Agora que estou aposentado, finalmente consegui tempo. Eu percebi que não se trata de nos manter ocupados; às vezes precisamos relaxar e aproveitar os pequenos prazeres da vida ”.

Lidar com a perda veio como um alerta que me deixou de castigo. Eu estava quase caindo na armadilha de projetar minha vida em um futuro imaginário e perder de vista a única realidade que existe: o aqui e agora.

Eu costumava ter pensamentos como “Algum dia, quando eu fizer isso ou conseguir isso, eu serei feliz”.

Em vez disso, sou grata por tudo que consegui na vida: pelo milagre do bebê que está crescendo dentro de mim. Pelo marido amoroso, família amorosa, grandes amigos (não muitos, mas verdadeiros). Pelo corpo saudável e mente saudável. Pela a casa em que eu moro, boas férias que posso pagar, por fazer o trabalho que amo e em que acredito.

Caro Universo, por tudo isso, eu digo obrigada.

 

livros-de-física-quântica-pdf

Compartilhe!

Escrito por

Compartilhamento de conhecimento sobre expansão da consciência e desenvolvimento pessoal.

Deixe um Comentário!